Meu perfil
BRASIL, Sudeste, NOVA IGUACU, AUSTIN, Mulher, de 46 a 55 anos, Portuguese, Informática e Internet, Música
Outro -




Arquivos

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis




Blog de citoprev
 


CURSO DE CITOLOGIA PREVENTIVO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

CURSO DE CITOLOGIA PREVENTIVO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

O Câncer do Colo do Útero é causado pelo Vírus HPV (quase a totalidade).

Existem mais de 200 tipos de HPV e podem aumentar a cada dia, porque os vírus estão em constantes mutações.

A maioria das cepas do HPV produzem somente verrugas (condilomas). Poucas cepas promovem lesões precursoras que podem ou não evoluir para o Câncer.

Estatísticas evidenciam que mais de 50% de homens e mulheres que tiveram e ou tem relações sexuais albergam um ou mais tipos de HPV mesmo sem sintomas.

Os tipos que promovem o câncer ao se instalar na mucosa uterina, oral, anal, peniana, dependendo das defesas imunológicas da pessoa podem levar de 10 a 15 anos para que as lesões precursoras invadam os tecidos, ou seja, evoluam para o Câncer.

Os estágios que precedem o câncer, ou seja, Displasias, NIC, Lesão de Baixo e ou de Alto Grau tem 100% de cura médica. Tais estágios são evidenciados no Exame Preventivo o Colpocitológico ou Citologia Oncótica.

O propósito desse Curso é oferecer ciência e aprofundamento aos Técnicos de Laboratório Análises Clínicas, Técnicos de Enfermagem, Profissionais e Estudantes da Área de Saúde, Acadêmicos Médicos, Biomédicos, Biólogos, Farmacêuticos Bioquímicos na Triagem do Câncer do Colo do Útero.


O Exame Preventivo ou Teste de Papanicolaou ou Exame Colpocitológico também chamado Citologia Oncótica, exige conhecimento teórico, prático e tempo ao microscópio para elaborar laudos fidedignos.


Todos os profissionais citados podem realizar triagem, ou seja, a primeira leitura das lâminas e emissão de laudos. Todavia, a legislação e o bom senso impõe a necessidade de um profissional com pós-graduação para realizar o controle da qualidade, assinar e liberar laudos citopatológicos.


Tais profissionais são escassos no mercado, mas não basta titulação para o exercício profissional. É necessário aprendizado teórico, prático, e habilidade ao microscópio e nesse item quanto mais se trabalha, mas habilidade se adquire.


Nesse curso o subsídio teórico e prático certamente será adquirido. A habilidade somente com o tempo de trabalho. No início a agilidade e produtividade na triagem são baixas, mas a prática diária gera desenvoltura. A sensibilidade é fundamental nesse trabalho, isto é marcar todos os campos suspeitos para o supervisor do serviço rever e liberar resultados.


As turmas devem ser pequenas e o aluno deverá sentir-se no perfil para trabalhar com microscopia óptica. Aulas ministradas com rico material didático fotos e lâminas.


A Professora Lucia tem 20 anos de experiência e já liberou muitos milhares de laudos, ministrará todo o curso teórico, prático e elaboração dos laudos com as nomenclaturas citológicas. A Citopatologia é abrangente, o módulo Colpocitologia terá duração de 12 meses, aulas sábados das 14 às 17 horas no Instituto Darwin em Araruama – RJ. Uma palestra será realizada aos candidatos antes da matrícula para maiores esclarecimentos.

http://www.cursodarwin.com.br/capacitacao/citologia.html



Escrito por citoprev às 12h36
[] [envie esta mensagem
] []





CURSO COLPOCITOLOGIA

Capacitar, Aperfeiçoar Liberação Laudo Colpocitológico. Exame Preventivo Câncer Colo Uterino.


Até aqui eu trabalhei e estudei muito, simplesmente porque AMO citologia.

Depois de ter feito vários cursos na área percebi que a maioria dos alunos flutua na Colpocitologia pelas dificuldades de muitos professores transmitirem o conteúdo em pouco tempo.

Eu queixava muito com o meu primeiro professor Dr. Grimaldo das dificuldades da cito, ele afirmava para mim que citologia é difícil, se fosse fácil todos fariam e tem muitos por aí fazendo besteira, quer dizer erradamente...

Sim, é sabido de muitos Falsos Negativos principalmente porque desconhecem a importância de explorar a JEC - Junção Escamo Colunar da Cérvice Uterina.

Como eu já superei a casa dos milhares e milhares de laudos liberados, e nunca tive problemas na justiça apesar de muitos questionamentos com médicos ginecologistas, todos os meus resultados foram confirmados pelas biópsias, isto requereu de mim avaliação quanto ao aprendizado dos alunos que ora iniciam a citologia com ênfase Colpocitologia.

O meu trabalho monográfico com fotografias da minha autoria, não foi publicado por percalço. Foi melhor assim. Decidi lançar na net em um curso breve de seis meses com assistência via e-mail e ou chat aos alunos matriculados.

Eu sempre acreditei que as aulas com pré-requisitos estabelecidos facilitariam o aprendizado e nenhum aluno por mais limitado que seja ficará flutuando no curso desde que leia com atenção e remeta para mim as dúvidas para que eu esclareça.

Sabemos que é uma minoria da espécie humana que curte estudar, isto justifica as desistências inclusive nas faculdades.

A advertência do Eike Batista: Você vale o que você sabe. Nunca aposente seu cérebro, deve ser lembrada sempre em todos os âmbitos da vida.

Citologia exige muito conhecimento teórico e prático, ambos andam juntos.

Eu sou professora por vocação e estou disponível para tirar dúvidas dos meus alunos no LEARNCAFE. Fiquei nesse portal porque percebi o excelente nível do seu Diretor Proprietário.

Breve iniciarei curso presencial no Instituto Darwin - Centro de Araruama – RJ.

Então prossigamos... Quem quiser iniciar o aprendizado da Colpocitologia, um dos módulos da Citopatologia, este curso é o melhor para iniciar porque foca o aluno no aprendizado de modo acendido.

Certifico que eu fiz dezenas de cursos antes da pós-graduação, então é certo que todos que desejam o bom domínio e a Excelência na Citopatologia devem estudar continuamente.

Apelo pelo dito do Eike Batista: Você vale o que você sabe. Nunca aposente seu cérebro.

ATT
Professora Lucia
Farmacêutica Bioquímica Citologista Clínica
CRF-RJ 7766

          


Escrito por citoprev às 15h52
[] [envie esta mensagem
] []





FOTOS - COLPOCITOLOGIA

FOTOS - COLPOCITOLOGIA

https://www.facebook.com/cursodecitologiadocolodoutero?sk=notes#!/cursodecitologiadocolodoutero/photos

  



Escrito por citoprev às 17h49
[] [envie esta mensagem
] []





O Câncer do Colo do Útero continua matando...

PODEMOS EVITAR QUE MULHERES MORRAM DE FORMA TÃO SOFRIDA

 POR UM CÂNCER QUE PODE SER ERRADICADO NOS ESTÁGIOS PRE INVASIVOS...

Toda Mulher Precisa Fazer Exame Preventivo de Câncer do Colo do Útero.

O tratamento médico previne o surgimento das neoplasias malignas invasivas.

A prevenção do câncer do colo uterino pode ser feita por meio de tratamento do estádio pré-invasivo ou intra-epitelial.

Procure o médico ginecologista. O câncer pode ser evitado.



Escrito por citoprev às 15h54
[] [envie esta mensagem
] []





CITOLOGIA ESFOLIATIVA

CITOLOGIA ESFOLIATIVA

 

O uso da citologia esfoliativa começou com os estudos de Papanicolaou e Stockard, em 1917, sobre atividade hormonal em estendidos citológicos em cobaias.

 

Somente em 1945 é que Papanicolaou e seus colaboradores publicaram trabalho de pesquisa onde estabeleceram algumas das bases definitivas para identificação da célula cancerosa e da atividade hormonal refletida sobre as células esfoliativas do trato genital feminino. A partir daí houve um considerável progresso da citologia em todo o mundo. Paralelamente, inúmeras novas técnicas foram desenvolvidas e novas áreas do corpo humano foram exploradas a tal ponto que hoje a citologia esfoliativa engloba todos os aparelhos e sistemas do corpo humano.

 

O estudo das células esfoliadas serve para:

 

1 - Pesquisar células malignas (ver se a paciente tem câncer ou lesão pré-cancerosa).

 

2 - Verificar se há processo inflamatório, e qual microrganismo o está causando (bactérias, fungos, vírus, protozoários, helmintos).

 

3 - Também podemos avaliar o efeito dos hormônios ovarianos sobre as células e, indiretamente, ter noções aproximadas de qual o hormônio está predominando na corrente sangüínea (colpocitohormonal).

 

“Diríamos que a nossa filosofia difere um pouco da de Virchow 1858, e em vez de dizermos que quase toda a doença tem a sua porta de entrada em uma célula, nós diríamos que as células refletem, muito precocemente, a entrada de uma doença no organismo, antes que haja manifestações tissulares. Tal fato é perfeitamente compreensível se levarmos em consideração que quase todas as doenças têm uma ação direta sobre as células de um tecido embora não tenham feito sua entrada por estas células diretamente, como afirmou Virchow” (Prof. Dr. Grimaldo Carvalho).

 

O princípio do método citológico é o seguinte: Comparar a imagem observada ao microscópio com a imagem gravada na memória do observador. Este constata semelhanças das imagens (esfregaço normal) ou discordância (esfregaço patológico) que devem ser analisadas minuciosamente. Os conhecimentos morfológicos devem ser complementados por noções de fisiologia e endocrinologia do aparelho genital feminino” (Dr. Leopoldo Koss).

 



Escrito por citoprev às 14h58
[] [envie esta mensagem
] []





Método Citológico

O princípio do "Método Citológico" é o seguinte:

 

Comparar a imagem observada ao microscópio com a imagem gravada na memória do observador. Este constata semelhanças das imagens (esfregaço normal) ou discordância (esfregaço patológico) que deve ser analisada minuciosamente. Os conhecimentos morfológicos devem ser complementados por noções de fisiologia e endocrinologia do aparelho genital feminino”  e / ou do aparelho em estudo (Dr. Leopoldo Koss).

 



Escrito por citoprev às 15h03
[] [envie esta mensagem
] []





Introdução: Citopatologia Geral

Introdução

 

Citopatologia dos Aparelhos e Sistemas do Corpo Humano

 

O estudo da Citopatologia inclui todos os Aparelhos e Sistemas do Corpo Humano. Também os Líquidos Cavitários.

 

Nos Laboratórios, mais de 70% da Citologia de rotina é do Trato Genital Feminino Inferior, com ênfase a Colpocitologia conhecido como Exame Preventivo do Câncer do Colo Uterino. Por isto este será o Tema do Curso.

 

- Citologia Oncótica e Hormonal do T.G.I. (Feminino) – Colpocitologia – Exame Preventivo do Câncer do Colo Uterino.

 

- Citologia Mamária (Descarga Papilar e PAAF)

 

- Citologia de Ovários (PAAF)

 

- Citologia do Trato Urinário (Micção ou Punção Suprapúbica)

 

- Citologia Pulmonar (Escarro)

 

- Citologia de Pequenos Nódulos por PAAF (Pulmão,Tireóide)

 

- Citologia de Secreção Prostática

 

- Citologia de Inprints

 

- Citologia de Lavados (Gástrico, Bronco-Alveolar, etc...)

 

- Outros Materiais (Raspado de Pele, etc...)

 

- Cell block (Método semelhante ao Histopatológico)

 

Citologia de Líquidos Cavitários

 

- Líquido Pleural 

 

- Líquido Peritonial

 

- Líquido Pericárdico

 

- Líquido Sinovial

 

- Líquido Amniótico

 

- Líquido Céfalo Raquidiano (LCR)

 

O princípio do "Método Citológico" é o seguinte: I.M.P.O.R.T.A.N.T.E. !!!

 

Comparar a imagem observada ao microscópio com a imagem gravada na memória do observador. Este constata semelhanças das imagens (esfregaço normal) ou discordância (esfregaço patológico) que deve ser analisada minuciosamente. Os conhecimentos morfológicos devem ser complementados por noções de fisiologia e endocrinologia do aparelho genital feminino”  e / ou do aparelho em estudo (Dr. Leopoldo Koss).

 



Escrito por citoprev às 12h58
[] [envie esta mensagem
] []





DST – DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DST – DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

AGENTES ETIOLÓGICOS:

1  – Vírus – ex. HIV (Aids), HPV (câncer colo / pênis), HSV (herpes), Vírus da Hepatite C

2 – Bactérias – ex. Treponema (sífilis), Neisseria (gonorréia), Chlamydias (infecção)

3 – Fungos – ex. Cândida – prurido, corrimento e danos à mucosa genital

4 – Protozoários – ex. Trichomonas – prurido, corrimento e danos mucosa genital

5 – Helmintos – ex. Oxiúros – prurido e corrimento e danos à mucosa genital

Nota: Apesar de receber denominação genérica de DST, a via sexual não é a única via de transmissão; mas é a principal via.

COMO ENCARAR AS DST:

1   – Não tomar medicamento por conta própria, nem aceitar indicação do balconista da farmácia. O médico fará avaliação clínica, mas o diagnóstico específico é feito pelo laboratório (análises específicas).

2 – Obrigatoriamente o parceiro também deverá ser medicado para evitar reincidência.

3 – A medicação deverá ser administrada de forma correta (dosagem e horários), para evitar que o agente adquira resistência ao medicamento, tornando o prognóstico (cura) mais difícil.

4 – Após tratamento, deverá manter controle da análise por um tempo (o médico vai determinar se necessário), por ex. sífilis que não recebeu terapêutica adequada poderá evoluir para neurossífilis o que é muito grave, pois deixa seqüelas, e pode até levar a óbito. Filhos de pais sifilíticos não tratados terão seqüelas neurológicas por toda vida.

5 – Evitar a fonte de contaminação, pois caso de reincidência pode expor o paciente a outras doenças mais graves como Aids, hepatite, neoplasias pelo HPV. Também pode levar à esterilidade. Em caso de mulher gestante, o feto poderá ter seqüela irreversível, inclusive má formação fetal.

6 – Bons hábitos de higiene deverão ser adquiridos para evitar infecções por agentes múltiplos (mais de um agente) o que vai dificultar a terapêutica e a cura. 

7 – A Camisinha (códon) não é cem por cento segura, mas diminui o risco. Além das seqüelas biológicas, acompanham também as seqüelas psicológicas das DST pois, a promiscuidade sexual nunca trouxe benefícios aos que praticam.

OUTRAS VIAS DE TRANSMISSÃO:

1  – Toalhas de banho úmidas compartilhadas no meio familiar contendo o agente

2 – Banheiros públicos contendo o agente

3 – Roupas íntimas compartilhadas

4 – Fômites (aparelhos) médicos mal esterilizados (contaminados)

5 – Hemotransfusão (janela imunológica) e agulhas contaminadas 

6 – Infecção Hospitalar (mãos sujas dos profissionais de saúde)

7 – Limpeza após evacuação (mulher) na direção ânus – vagina

PROCEDIMENTOS PARA EVITAR ESTAS DOENÇAS:

1  – Ser uma pessoa consciente, buscar informações corretas, adquirir bons hábitos de vida e de higiene, vestuário íntimo confortável e muito limpo, conseqüentemente terá *boa qualidade de vida.

2 – Fugi da prostituição: (I Coríntios 6:18). “Sujeitai-vos a Deus" (Tiag 4:7). “Temei a Deus" (Lucas 12:5).

3 – Não aceitar sexo anal, muito menos, seguido de sexo vaginal, para evitar introduzir microorganismos das fezes na vagina, evitando desta forma graves infecções ginecológicas (Rm 1:26-27).  

4 – Bons hábitos de higiene no lar; (banheiros higienizados, roupas íntimas limpas e não compartilhadas, limpeza após evacuação (mulheres) de frente para trás para evitar que fezes sejam introduzidas na vagina; e mãos limpas para tocar nos órgãos sexuais.

5 – Toalhas de banho de uso individual (exceto para o casal => esposo, esposa desde que sejam => MONOGÂMICOS)

6 – Cuidado com *banheiros públicos

7 – Conversar com o profissional da saúde sobre os aparelhos descartáveis / esterilizados (caso tenha dúvidas sobre a esterilização no local do exame)

8 – Só receber transfusão sangue / órgãos, de empresas de saúde que cumprem a lei da vigilância sanitária (sorologia negativa do doador) 

9 – Permanecer o mínimo de tempo possível internado em leito hospitalar



Escrito por citoprev às 12h08
[] [envie esta mensagem
] []





SEXO ANAL

sexo anal VERSUS INFECÇÕES UROGENITAIS: “dÁ PRA fazer ou não” ?

 

As enterobactérias são uma família de bacilos gram-negativos com muitas propriedades em comum. Habitam nos intestinos da espécie humana como microbiota normal ou como agentes de infecção.

 

A maioria das enterobactérias vivem normalmente nos intestinos, e são importantes nesse habitat, pois participam da fisiologia intestinal até mesmo na produção de alguns tipos de vitaminas. Mas são patogênicas para outros órgãos e tecidos.

 

As enterobactérias podem causar infecções intestinais e extra-intestinais. As que causam infecções intestinais são chamadas enteropagogênicas. Embora sejam primariamente enteropatogênicas, algumas cepas podem atravessar a mucosa intestinal determinando bacteremia e infecções em diversos órgãos.

 

São dezenas dessas bactérias encontradas nos exames bacteriológicos, os nomes?

 

Eis alguns GÊNEROS E CADA GÊNERO TEM ESPÉCIES:

 

Escherichia sp.

Shigella sp.

Edwardsiella sp.

Salmonella sp.

Citrobacter sp.

Klebsiella sp.

Enterobacter sp.

Hafnia sp.

Serratia sp.

Proteus sp.

Morganella sp.

Providencia sp.

Yersinia sp.

Erwinia sp.

 

Sexo anal sem preservativo ambos correm riscos de infecções urogenitais graves e até septicemias que podem matar o indivíduo.

 

Então deve fazer ou não sexo anal? Eu repondo sempre que é uma decisão do casal, mas usar sempre o PRESERVATIVO...

 

Tenho me assustado com constantes recidivas de infecções urogenitais na rotina do laboratório. Conversa à parte com as mulheres, a causa mais comum dessas reincidências é sexo anal SEM preservativo.

 

Mas quem paga o preço mais alto pelas conseqüências do sexo anal desprotegido? Certamente a mulher...



Escrito por citoprev às 18h06
[] [envie esta mensagem
] []





CITOPREV LABORATÓRIO

MICRORGANISMOS MAIS FREQUENTES NO TRATO GENITAL INFERIOR FEMININO

BACTÉRIAS

Lactobacilos ou Bacilos de Doderlein (Em simbiose, quando exacerba causa inflamações)
Gardnerella sp. (Tipos similares - Mobilluncus)
Cocos
Bacilos

FUNGOS
Cândida sp. (Monília sp.)
Cândida glabrata / Torulopsis glabrata

VÍRUS
HPV (Vírus Papova Humano)
HSV (Herpes Vírus Simples)

PROTOZOÁRIOS
Trichomonas vaginalis

HELMINTOS
Enterobius vermicularis

TAXONOMIA CONTROVERSO
1 - Leptothrix vaginalis: Bacilos longos. Outros classificam como fungos
2 - Actinomyces: Alguns classificam como fungos, outros como bactérias

OBSERVAÇÕES:

Temos encontrado em determinadas épocas do ano certa predominância dos mesmos agentes microbianos no trato genital, como se tais agentes tivessem um “padrão sazonal”, ou seja, inflamações de estações.

Por exemplo, DURANTE O VERÃO, temos observado que as infecções por Cândida sp aumentam em freqüência e em intensidade. Uso freqüente das piscinas e praias, exposição aos meios contaminados, parecem ser a principal causa de tal fato.

Por outro lado, a Trichomonas vaginalis e a Gardnerella sp surgem com maior freqüência e com maior intensidade no inverno, quando se tem maior atividade sexual e provavelmente menos medidas higiênicas após o coito, o que poderia ser responsáveis pelo fato.

O vírus HPV (Papova), tem aparecido com uma freqüência significativa em todas as épocas do ano, em mulheres cada vez mais jovens.



Escrito por citoprev às 19h13
[] [envie esta mensagem
] []





ARQUIVO CITOPREV

Treponema pallidum

Bactéria espiralada, agente etiológico da sífilis, cancro duro, enfermidade infectocontagiosa, sexualmente transmissível, período de incubação de mais ou menos três semanas, e apresenta três fases clínicas (primária, secundária, terciária). Segundo autores de Citologia Ginecológica y Mamária de A. Fernández-Cid Fenolllera / L.López Marín — Ed. Salvat / Madrid, Tomo II, pág 80, Na mulher, o Treponema pallidum, pode ser encontrado na região vulvar, nas paredes vaginais e no colo do útero, na fase primária, e raramente nas fases secundária e terciária, a qual pode manifestar-se tardiamente, com lesões viscerais e nervosas (neurossífilis), que podem assumir caráter extremamente grave.

No estudo anatomopatológico da vagina infectada pelo espirilo, além da reação inflamatória, na fase primária, há presença do espirilo.

O único diagnóstico absolutamente seguro da sífilis primária é a observação direta do Treponema pallidum, em microscópio de campo escuro. Não são suficientes, portanto, nem a clínica nem a sorologia.

Por tratar de um organismo muito fino, não é possível observá-lo ao microscópio óptico comum. Com a coloração de Gimsa, tomará uma pálida coloração rosa. Não toma a coloração de Gram. Pode dar resultados positivos na impregnação por sais de prata, como é o caso do método de Fontana-Tribondeau.

O diagnóstico na fase primária, principalmente, e na fase secundária, pode ser realizado com o estudo do exsudato cérvico-vaginal, diretamente em campo escuro. Serão observados os treponemas com seus movimentos e morfologia característicos; todavia, nem sempre será possível diferenciar as formas de T. pallidum, de outros treponemas não patogênicos.

De todas as formas, a melhor identificação se faz observando em campo escuro, com a coloração específica.

Em nosso serviço de bancada detectamos um caso com espiroqueta, (foto). Não existe na literatura espiroquetas evidenciadas por métodos comuns de coloração (Papanicolaou, Gram, etc.), daí citar este achado no laudo, principalmente porque não existe relato na literatura até o momento, torna-se delicado; por outro lado, omitir, é um ato irresponsável, devido às complicações futuras. Foi comunicado ao médico e ficará com ele a responsabilidade em solicitar análises específicas para sífilis. Se der negativo, excelente; se der positivo, tratar enquanto é cedo. Prevenir é melhor do que remediar. Sífilis primária tem cura, neurossífilis é complicado.

citoprev@infolink.com.br

                                



Escrito por citoprev às 19h13
[] [envie esta mensagem
] []





Matéria Citoprev

ÚTERO RETROVERTIDO OU RETROFLEXO

O útero retrovertido não é um problema e sim uma variação na anatomia da mulher. Antigamente, acreditava-se que o útero posicionado dessa forma poderia trazer dificuldades para engravidar, mas hoje sabe-se que isso não é verdadeiro. A única exceção é a retroversão fixa, quando o útero não consegue se mover, mas isso só acontece quando existe uma doença real e isso o médico é capaz de detectar durante o exame.

 

O útero retrovertido ou útero retroflexo pode ser dividido em dois tipos:

1) Útero retrovertido móvel
2) Útero retrovertido fixo.

O útero retrovertido móvel usualmente não traz grandes transtornos para a mulher, mesmo que ela não tenha ainda passado pela experiência da gravidez. Eventualmente poderá ocorrer discreta dor no período pré ou pós-menstrual e em algumas posições durante o ato sexual.

Já o útero retrovertido fixo sim, poderá trazer maiores transtornos, desde dor constante no ato sexual, ardor urinário e possíveis cistites. Eventualmente, percebe-se dificuldade em evacuar, dor em todo o intercurso sexual e também maior dificuldade de prosseguir com a gravidez.

Portanto, seja qual for o caso, o ginecologista poderá resolver o problema através de tratamento clínico ou cirúrgico.

 

http://marianamaldonado.com.br/2007/01/espaco-mulher/problemas-para-engravidar/

http://biancagravida.blogspot.com/2006/07/primeira-imagem.html

 

Dra. Maria Lúcia das Graças Macêdo                        

Farmacêutica Bioquímica – Analista Clínica

CRF-RJ 7766 Formada pela UFRJ – FUNDÃO



Escrito por citoprev às 10h27
[] [envie esta mensagem
] []





SAÚDE

O que é o câncer do colo uterino ?

 

É um tumor maligno, isso é, tumor constituído pela proliferação descontrolada de células anormais que podem invadir estruturas vizinhas e a distância (metástases).

 

Como inicia o câncer do colo uterino?

 

A inflamação crônica de algum órgão, causa aumento da divisão celular, e aumenta a chance de alguma mutação.

 

A ação de hormônios é semelhante. Eles aceleram a divisão celular de alguns tipos de células, facilitando a ocorrência de mutações.

 

O fumo desenvolve ação carcinogênica. Ele é capaz de lesar o DNA das células do corpo inteiro.

 

Outras situações em que pode ocorrer lesão direta do DNA é quando ocorre invasão celular por vírus. Como exemplo há a associação do papilomavirus (HPV) com o câncer de colo de útero. As alterações específicas geradas no DNA que estes tipos de vírus causam ainda não estão bem determinadas.

 

O que se sabe é que pode haver uma completa integração do genoma do vírus no genoma (DNA) da célula hospedeira, sendo que esta célula dará origem à oncogênese.

 

São vários os fatores de risco identificados para o câncer do colo do útero, sendo que alguns dos principais estão associados às baixas condições sócio-econômicas, ao início precoce da atividade sexual, à multiplicidade de parceiros sexuais, ao tabagismo (diretamente relacionados à quantidade de cigarros fumados), à higiene íntima inadequada e ao uso prolongado de contraceptivos orais.

 

Estudos recentes mostram ainda que o vírus do papiloma humano HPV, tem papel importante no desenvolvimento da neoplasia das células cervicais e na sua transformação em células cancerosas.

 

Este vírus está presente em mais de 90% dos casos de câncer do colo do útero.

 

A evolução do câncer do colo uterino ocorre vagarosamente, em torno de 10 anos, depende da higidez da mulher, motivo pelo qual, se atendida a tempo, é curável na quase totalidade dos casos.

 

 

 

COMO SE COMPORTAM AS CÉLULAS CANCEROSAS?

• Multiplicam-se de maneira descontrolada, mais rapidamente do que as células normais do tecido à sua volta, invadindo-o. Geralmente, têm capacidade para formar novos vasos sanguíneos que as nutrirão e manterão as atividades de crescimento descontrolado. O acúmulo dessas células forma os tumores malignos

• Adquirem a capacidade de se desprender do tumor e de migrar. Invadem inicialmente os tecidos vizinhos, podendo chegar ao interior de um vaso sangüíneo ou linfático e, através desses, disseminar-se, chegando a órgãos distantes do local onde o tumor se iniciou, formando as metástases. Dependendo do tipo da célula do tumor, alguns dão metástases mais rápido e mais precocemente, outros o fazem bem lentamente ou até não o fazem.

• As células cancerosas são, geralmente, menos especializadas nas suas funções do que as suas correspondentes normais. Conforme as células cancerosas vão substituindo as normais, os tecidos invadidos vão perdendo suas funções. Por exemplo, a invasão dos pulmões gera alterações respiratórias, a invasão do cérebro pode gerar dores de cabeça, convulsões, alterações da consciência etc.

 

Fonte: MINISTÉRIO DA SAÚDE. INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER. COORDENAÇÃO NACIONAL DE CONTROLE DE TABAGISMO - CONTAPP. "Falando Sobre Câncer e Seus Fatores de Risco". Rio de Janeiro, 1996.


Carcinoma Escamoso – Câncer
Pode ou não ter cura médica

100% cura médica
CIS – Carcinoma IN SITU (memb. basal íntegra) – NIC III – Lesão de Alto Grau

Displasia Severa – NIC III – Lesão de Alto Grau

Displasia Moderada – NIC II – Lesão de Alto Grau

Tratamento fácil
Displasia Leve – NIC I – Lesão de Baixo Grau

ASCUS – Atipias de Significado Indeterminado

Ativação Nuclear

Inflamação => Mais freqüente

Células Benignas – Normais
 

Dra. Ma. Lúcia CRF-RJ 7766
Farmacêutica Bioquímica – Analista Clínica
Especialista em Citologia Clínica UFRJ
RT Citoprev Laboratório Análises Clínicas


Escrito por citoprev às 13h43
[] [envie esta mensagem
] []





DST - OUTRAS VIAS DE TRANSMISSÃO

DST - OUTRAS VIAS DE TRANSMISSÃO 

 

Herpes é considerada uma dst - doença sexualmente transmissível?”

RESPOSTA:  Não somente... Tem outras vias de contaminação... Parto vaginal transmite para a criança Herpes da mãe que pode manifestar ou não na idade adulta, Herpes é CONTAGIOSA na fase de “bolhas” multiplicação e proliferação viral... Herpes não é Oncogênico, não causa neoplasias malignas, câncer, mas imagina-se que ele dê “suporte” ao HPV...

Na relação sexual, INOCULA-SE “tudo”... Então é a via mais comum de transmissão... A MAIORIA DAS DST TEM OUTRAS VIAS DE CONTAMINAÇÃO... Fômites, roupas íntimas e toalhas úmidas compartilhadas, banheiro, cédula $, etc...

Tenho clientes VIRGENS, IMPÚBERES, IDOSAS, etc... Com Herpes e outras “DST”...  COMO ELAS ADQUIRIRAM?

Uma mãe veio fazer exame Citológico da filha de 5 aninhos... Prurido vulvar, micção difícil dolorosa e secreção vaginal persistente...  Resultado: Encontrei HERPES. Como adquiriu? Pode ter sido da mãe no parto vaginal manifestação tardia ou pode ter sido de toalhas uso comum.

Encontrei numa viúva 76 anos, há mais de 30 sem sexo, TRICHOMONAS E LEPTOTRIX... DST ? Sim... RESPOSTA: Qual a via de transmissão? Investiguei... Banheiros públicos na Central do Brasil RJ.

Adolescente Virgem 14 anos com HPV... Essa eu achei que estivesse no “bota a mão lá, bota a mão cá”... Intimidade sexual, sexo sem penetração. Ao fazer essas perguntas, a garota ficou furiosa comigo, levantou-se da cadeira, deu uma aula de boa moral, bons costumes, etc... Ela é líder de um grupo religioso juvenil... Adorei a reação da garota... Pedi pra conversar com os pais antes de manda-la pro ginecologista e ouvi a seguinte história:  “Os pais se separaram, ela foi morar na casa da tia... Lá a toalha de banho era única, uso comum para todos familiares... Muitos rapazes e moças na faixa dos 18 anos”... Acredito, ela adquiriu HPV aí...

caso espantoso: Uma mãe veio fazer Colpocitologia a pedido do Conselho Tutelar. Seu Filho de 2 anos com CONDILOMA ANAL, acharam que “abuso sexual”. Mas a mãe casou-se virgem com um homem mulherengo ... Adquiriu do marido e a toalha de uso comum passou pra criança...

Outro Caso: CHLAMYDIAS na Colpocitologia de uma ADVOGADA... Pensei... Vai dar problema esse resultado. É uma das DST... Ao abrir o jogo com essa cliente, ela falou que manuseia dinheiro o dia todo, e nunca lava as mãos ANTES de ir ao banheiro, somente depois... Dei ênfase que o dinheiro é mais podre que fezes... As mãos devem ser lavadas ANTES de ir ao banheiro pra proteger a se mesma e DEPOIS pra proteger os que nos cercam... Certifique-a que a ginecologista iria questionar, mas o resultado está correto... Ainda falei sobre o tratamento / fármacos etc... Após sair do consultório, ela ligou pra falar que a ginecologista deu o maior escândalo com o meu resultado... A advogada contou toda ocorrência, a ginecologista “engoliu” e tratou-a tal como eu havia falado, com o fármaco inicial eleito...

Crianças impúberes com GARDNERELLA... É DST?  RESPOSTA: NÃO!!! GARDNERELLA é o agente das “vaginoses inespecíficas”... Muito comum manifestação... Roupas muito apertadas, abafadas... O trato genital feminino inferior... Ambiente propício... Muitas crianças adquirem das toalhas de banho das mães...

Outro caso GRAVE... Uma moça excelente postura social... A ginecologista “esculachou” a moça por estar com “DST – HERPES”. A cliente ficou tão envergonhada que temeu entrar na Drogaria pra comprar o medicamento, pois o que pensariam dela... Uma ginecologista desse nível é burra, idiota, fora das atualizações... Depois do nosso diálogo, a cliente foi comprar o medicamento.

HERPES é o vírus mais comum em todos os seres humanos. Dificilmente se manifesta em pessoas HÍGIDAS... Quase a TOTALIDADE DAS SOROLOGIAS PRA HERPES SÃO POSITIVAS... No IMUNOCOMPETENTE... Herpes pode se manfestar e desaparecer sem tratamento... HERPES e CITOMÉGALO VÍRUS... Em IMUNODEFICIENTE, IMUNODEPRIMIDO e IMUNOSSUPRIMIDO... Cuidado !!! Uma vida com Estresse sob controle + Alimentação rica em Vita C / Antioxidantes que fortalecem o sistema imune... Pode deixar vírus inativos... Reincidências ocorrem na baixa da imunidade...

IMUNOCOMPETÊNCIA: Eficiência da capacidade do SISTEMA IMUNITÁRIO de um organismo em reagir perante agentes patogénicos. PESSOA HÍGIDA, TEM BOA SAÚDE. IMUNOCOMPETENTE: Aquele que apresenta imunocompetência.

IMUNODEFICIÊNCIA: Ausência ou diminuição das reacções imunitárias. IMUNODEFICIENTE: Aquele que sofre de imunodeficiência.

IMUNODEPRESSÃO: Diminuição ou supressão das reacções imunitárias do organismo, que pode ter origem infecciosa ou ser obtida por meios terapêuticos (nomeadamente pelos medicamentos imunodepressores). IMUNODEPRIMIDO: Aquele que sofre de imunodepressão.

IMUNOSSUPRESSÃO: Corresponde à supressão da resposta imunitária do organismo. Esta é necessária a seguir a um transplante de órgãos de maneira a prevenir a rejeição do mesmo. É induzida artificialmente através de radiação ou agentes químicos que inibem a divisão celular dos linfócitos. Ocorre naturalmente em algumas doenças, como por exemplo, a AIDS. IMUNOSSUPRIMIDO: Aquele que sofre de imunossupressão.



Escrito por citoprev às 10h38
[] [envie esta mensagem
] []





HPV – PAPOVA – Vírus Papiloma Humano Família  – Papovaviridae

 

O HPV é transmissível pelas relações sexuais, mas não podem ser descartadas outras vias de contaminação como roupas íntimas e toalhas de banho compartilhadas, banheiros e objetos contaminados. Também intimidades sexuais, mesmo o sexo sem penetração, ou o contato com tecidos contaminados, podem transmitir o HPV, justificando porque meninas ainda virgens têm este vírus. As verrugas genitais são muito comuns formando Condiloma.

Os vírus sofrem mutações com muito mais facilidade do que os organismos mais complexos, por isso a cada dia surgem novas cepas virais. Resultantes deste processo, já passam de 200 tipos de HPV.

O período incubação pode demorar semanas ou meses, mas pode levar mais de 20 anos para se manifestar. Dados estatísticos indicam que mais de 50% das mulheres e homens em atividade sexual, tem o HPV em seus tecidos, mas as pesquisas mostram que menos de 3% desenvolveram carcinoma, ou seja, o câncer. Isto porque o sistema imunológico hígido combate a ação dos vírus nos tecidos ou mesmo pode eliminar os vírus.    

A triagem é feita pelo exame Preventivo. Análises específicas Colposcopia, Biópsia e Captura Híbrida serão realizados sob critério médico. O parceiro mesmo assintomático deverá ser examinado pelo médico urologista / peniscopista porque o homem com HPV também pode ser acometido pelo câncer do pênis.

Toda Mulher Precisa Fazer Exame Preventivo de Câncer do Colo do Útero. O tratamento médico previne o surgimento das neoplasias malignas invasivas. A prevenção do câncer do colo uterino pode ser feita por meio de tratamento do estádio pré-invasivo ou intra-epitelial. Procure o médico ginecologista. O câncer pode ser evitado.

Dra. Maria Lúcia das Graças Macêdo

Farmacêutica Bioquímica – Analista Clínica

CRF-RJ 7766 Formada pela UFRJ – FUNDÃO 



Escrito por citoprev às 16h38
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]